quinta-feira, 22 de julho de 2010

Histórias de Quinta


“Surpresa no Seminário”

Tina é uma estudante de Artes que adora museus, casarões e tudo relacionado ao passado do estado onde mora. Certo dia a turma da Universidade foi fazer uma visita a um seminário em uma cidade do interior, expectativa para a chegada, afinal, o local é cercado por Histórias e ficar de sexta a domingo em um local repleto de rapazes preparando-se para a vida na Igreja não faz parte da rotina dela.

Chegando ao seminário a recepção foi realizada por um padre e pelos seminaristas, todos com carinha de menino, com no máximo 20 anos cada um. A turma ficou louca, comentários e risadinhas invadiam o pátio, enquanto Tina observava Henrique, um belo rapaz que segundo ela estava desperdiçando a vida entrando para o seminário.

Depois de guardar as coisas Tina foi andar pelo local para conhecer, ao caminhar por um longo corredor ouve uma voz vinda de um pequeno quarto, era Henrique, estava lendo a bíblia. Tina não queria atrapalhar, passou em silêncio e foi para a varanda, sentou em um banco e ficou vendo as outras pessoas. Sentiu que estava sendo observada e quando se virou viu que era Henrique.

- Olá! Posso sentar-me com você??? Ele perguntou.

- Claro, fique a vontade, estamos na sua casa.

- Está gostando daqui???

- Sim, é tão bonito, calmo...

Enquanto trocavam as primeiras palavras Tina percebeu o olhar de Henrique, algo dizia que esse encontro seria especial.

- Então - continuou ela - o que o fez vir para cá???

- Bom, meus pais são muito católicos, e minha mãe sempre disse que eu seria padre.

- Mas queres isso??? És tão novo, não viveu nada ainda, essa decisão é para o resto da tua vida...

- É verdade, mas ainda dá tempo de desistir...

Falando isso Henrique olhou para Tina com um desejo antes não percebido, levantou-se e saiu.

Anoiteceu e os seminaristas sempre muito atenciosos ficaram contando histórias para a turma, como é viver ali, a rotina. Tina estava voando em seus pensamentos, lembrando da conversa de logo cedo, enquanto procurava Henrique, que não estava na conversa. Algum tempo depois ele surge, estava lindo, uma camisa branca, calça preta e chinelo. Senta-se ao lado de Tina em silencio e fica observando a conversa.

Alguns minutos passaram-se e para Tina pareciam sem fim, quando ela menos espera Henrique levanta-se e faz um sinal para ela segui-lo. Vão para um pátio pequeno, com uns bancos de ferro, sentam-se e Henrique sem falar nada a beija. Um beijo quente e molhado, Tina fica excitada e percebe que Henrique também corresponde, essa foi a deixa que Tina queria para partir para o ataque. Ele sentou-se e ela de joelhos na frente dele começa a acariciar seu pau, Henrique demonstrava que sabia o que viria pela frente, relaxou e ficou observando. Ela o beijou, levantou a camisa dele e começou a beijar a barriga, foi baixando e mordendo o pau ainda por cima da calça, não resistindo baixou a calça e a cueca e deparou-se com aquele pau duro pedindo para ser chupado. Tina começou a sugar a cabeça devagar, foi passando a língua de cima a baixo, entre as bolas, e o pau parece que ia explodir. Henrique a pegou pelos cabelos e começou a foder a boca dela que logo sentiu aquele jato de porra quente escorrer pelos lábios. Tina lambeu tudo, afinal, não poderia deixar nada sujo. Voltaram para o local que a turma estava, em silêncio desde o momento que saíram até a hora que foram deitar.

Na dia seguinte tudo correu bem, a turma foi conhecer o seminário e a cidade, passaram o dia inteiro fora e retornaram a tardinha. Após o jantar algumas pessoas foram deitar e outras ficaram conversando no pátio. Tina não viu Henrique o dia inteiro e compreendeu o afastamento, “ele deve está confuso”, pensou.
Tina foi para a varanda ler um livro, mas sempre procurando por Henrique, que até então não tinha dado sinal de vida. Ela acabou distraída lendo e quando percebeu todos tinham ido deitar, foi caminhando pelo corredor longo e escuro quando sente alguém a puxar pelo braço para dentro da biblioteca. Era Henrique, estava nervoso, mãos geladas e respiração ofegante.
- Precisamos conversar, ele falou.

- É verdade, quero te pedir desculpas pelo que aconteceu ontem, não queria te deixar confuso, disse Tina.

- Você não me deixou confuso

- Não???

- Pelo contrário, você me deixou excitado, com vontade de te comer naquele banco...

Henrique puxa Tina e começa a beijá-la com tesão, as mãos procuram o corpo dela, seios, bunda, boceta, que nesse momento já está melada e louca para ser fodida. Ele parece está fora de si, levanta o vestido dela, tira a calcinha e fica observando, em uma mistura de contemplação e desejo. A deita na mesa, e começa a beijá-la, orelha, pescoço, colo, seios, e estes merecem atenção especial, passa a língua nos biquinhos duros e começa a sugá-los, acariando e apertando os seios dela. Vai baixando beijando a barriga e finalmente fica a frente daquela boceta quente e úmida. Começa a lamber pela virilha e em seguida abre devagar com os dedos e começa a passar a língua por toda a boceta, dando umas mordidinhas deixando Tina louca. Passa a língua no grelo e começa a esfregá-lo com o dedo, para em seguida começar a fodê-la com a língua e um dedo, e ela pede que coloque mais um, mais dois, e Henrique obedece fazendo ela gozar.

Sem perder tempo Henrique tira a roupa e a coloca em pé, apoiada na mesa, a beija pela nuca e costa, sussurra em seu ouvido que quer fodê-la, que seu pau já está para explodir de tão duro, acaricia a bunda dela passando o pau entre as nádegas, de cima a baixo, Tina não agüenta mais e implora para ser comida, ele mete o pau devagar, vendo cada centímetro ser devorado por aquela boceta quente, e quando já está tudo ele começa a estocá-la, devagar, aproveitando o prazer que está sentindo e o que está proporcionando. Ela pede para ele bater, ouvindo isso Henrique fica louco e começa a meter com força, parece que vai rasgá-la, geme, a chama de puta, vagabunda, bate na cara e na bunda e a puxa pelos cabelos, quando sente que vai gozar para e faz um pedido especial, comer o cu de Tina. Ela diz que sim e Henrique mete devagar, sentido aquele cu apertado devorar seu pau. Tina geme e começa a rebolar, ele parece não acreditar no que está acontecendo e começa a meter com força e bem fundo, a segura pela cintura e pelos cabelos, Tina pede mais, com mais força e Henrique já louco de tesão goza naquele cu tão gostoso. Em seguida Henrique e Tina vestem-se e saem da biblioteca, cada um para seu quarto.

No domingo chegou a hora do almoço e a turma ia partir, as despedidas foram demoradas, trocas de lembranças, telefones, emails. Tina aproxima-se de Henrique, o abraça e ele diz:

- Tina, vou estudar na Itália, vou semana que vem. Bom que nos encontramos antes. Você foi a melhor coisa que aconteceu desde quando vim morar aqui, nunca vou te esquecer...

- Henrique, desde quando te vi a primeira vez senti algo especial. Que bom que serei uma lembrança boa para você. Chegou a hora de partir, adeus Henrique. Espero que esteja fazendo a melhor escolha...

- Adeus Tina, eu farei a melhor...

Tay

Nenhum comentário:

Postar um comentário