quarta-feira, 31 de março de 2010

Devore-me


Gangorra Sexual

Descrição: A mulher deita-se de costas e levanta as pernas o máximo possível, dobrando-as para trás, paralelas ao chão. Ajoelhado à sua frente, o homem vai ajudar a manter o equilíbrio, sustentando seu bumbum nas coxas. Depois da penetração, comecem um lento e sensual movimento de sobe-e-desce, como numa gangorra.

Vantagens: A penetração é mais profunda e os parceiros podem se olhar na hora da transa.

Desvantagens: A falta de elasticidade dificulta a transa.

Tay

segunda-feira, 29 de março de 2010

No Divã


Kátia, deite-se no divã...

Tay, namoro a 6 meses com um homem muito especial, sou louca por ele, faço tudo que ele quer, seja na cama ou fora dela, porém, a uns dias ele veiu com uma proposta: sexo a três. Ele quer chamar uma amiga para transar com a gente, não sei se é uma boa idéia. Ele disse que é para apimentar a relação. O que acha???

Oi Kátia!!!

Eu acho que em uma relação tudo é válido, desde que os envolvidos saibam lidar com certas situações que possam acontecer. Se para ti esse ménage vai ser uma curtição, se não vais te abalar em ver teu parceiro com outra, então aproveita. Agora, se for aceitar só para agradá-lo não faça.

Tay

domingo, 28 de março de 2010

Doce Deleite


Onirismo - Ariel C.

Rolo na cama procurando teu corpo
Aqueço-me em teus braços ausentes
Encontro o abismo na escuridão de teus olhos languidos
Enlouqueço em teu arquejar - que não tive - de carne quente

Perco a noite ao brotar desta semente...
Sinto teu beijo queimar-me a nuca
Enquanto a tua mão pousa sobre minha coxa suavemente
Em um ensaio onírico de vida curta

Repousa a tua cabeça sobre meu ventre,
Após meu dorso encostar na tua frente
E teus dedos explorarem aquilo que cheira a algas marinhas
Então abro os olhos para inundar-me de vazio...
A solidão junto a mim sobre lençóis frios,
E um travesseiro molhado por lágrimas minhas!

sábado, 27 de março de 2010

Glossário do Sadomasoquismo - Parte 3


121 - Humbler: Acessório que aperta a base do saco escrotal. 

122 - Humilhação: É o momento que o dominador penetra na intimidade de sua escrava e consegue obter comportamentos que em situações normais não ocorrem. 

123 - Infantilismo: Excitação do individuo ao representar uma criança e ser tratado como tal. 

124 - Inversão: Quando a mulher faz as vezes do homem no ato sexual, a inversão de papéis possibilita a penetração anal através do strip – on (pênis artificial) 

125 - Jactitação: Fetiche cuja excitação revela-se ao falar das próprias atividades sexuais em voz alta para outras pessoas. 

126 - Jaula: Gaiola de tamanho maior geralmente encontrada em sessões SM. Peça com finalidade de humilhação. 

127 - Kajira: No universo goreano é a definição de escrava. 

128 - Kleptofilia: Satisfação erótica ao roubar um parceiro potencial. 

129 - Kleptolagnia: Prazer sexual gerado pelo roubo. 

130 - Labioplastia: É o nome dado a cirurgia de correção vaginal quando os lábios internos são maiores que os externos. 

131 - Lacrifilia: Fetiche cuja excitação é ver o parceiro chorar. 

132 - Lactação Erótica: Prazer obtido pela amamentação ou visualização do leite durante jogos sexuais. 

133 - Látego: Instrumento de tiras de couro que serve para castigar. 

134 - Ligotage: Forma como os franceses denominam a restrição com cordas.

135 - Looners: Indivíduos que tem fetiche sexual por balões de látex. 

136 - Maieusofilia: Atração sexual por mulheres grávidas. 

137 - Maledom: É a dominação dada quando todas as atividades na cena BDSM são estritamente de dominação masculina. 

138 - Masoquismo: Perversão caracterizada pela obtenção de prazer sexual a partir de sofrimento ou humilhação a que o próprio individuo se submete. 

139 - Massageador: Acessório utilizado em escravas imobilizadas, preso sobre o clitóris com a finalidade de causar orgasmos involuntários.

140 - Matronolagnia: Atração sexual por mulheres de idade avançada.

141 - Menstruofilia: É a atração sexual pela menstruação ou por absorventes usados. desejo de relacionar-se sexualmente com mulheres menstruadas.

142 - Mentor: No BDSM é visto por muitos como a pessoa que serve a alguém de guia, de sábio e experiente conselheiro.

143 - Milking: Nome dado à ejaculação masculina provocada pela massagem prostática.

144 - Mindfuck: O termo mindfuck (fuck - atrapalhar, confundir e mind - mente) é uma gíria inglesa que se aplica a algo ou alguém que intencionalmente tenta desestabilizar, confundir ou controlar a mente de outra pessoa por meio de manipulação mental e emocional. Pode referir-se também de forma positiva ao impacto da arte ou ações psíquicas na mente levando a uma reação pré-estabelecida. 

145 - Misofilia: Atração anormal pela sujeira. O individuo se sente excitado ao cheirar, mastigar ou realizar outra ação com roupas sujas, suadas ou com artigos de higiene menstrual.

146 - Mistress: Feminino de Mestre.

147 - Mumificação: Técnica de imobilização onde se envolve totalmente o corpo da pessoa.

148 - Munch: Uma reunião informal para discussão do BDSM e oportunidade para conhecer outras pessoas que partilham da mesma filosofia. Normalmente acontecem em bares e não é exigido trajer a caráter.

149 - Nanofilia: Parafilia que se caracteriza pela atração sexual por anões.

150 - Narratofilia: Individuo cujo prazer só é obtido através de narrativas eróticas ou pornográficas ao parceiro.

151 - Nasofilia: Fetiche cuja excitação revela-se em ver, tocar, lamber ou chupar o nariz do parceiro.

152 - Necrofilia: Uso do cadáver como objeto sexual. A excitação pode ser dar pelo contato ou ser apenas visual.

153 - Nervo de Boi: Também conhecido como vergalho, é um chicote feito com o órgão genital do boi ou do cavalo, depois de cortado, seco e retorcido.

154 - Nick Name: Indica o pseudonimo do usuário em salas de chat ou na internet.

155 - Nipple Clamp: Objeto usado para pressionar o mamilo, alguns possuem mecanismo para limitar a pressão.

156 - Normofilia: Individuo que tem excitação ao ser politicamente correto e seguir à risca padrões e convenções sociais ou religiosas.

157 - Olfatofilia: Excitação por odores exalados pelos órgãos genitais.

158 - Omorashi: Um fetiche nascido no Japão. Os participantes excitam-se ao ficar com a bexiga completamente cheia. Muitas vezes é praticado em locais públicos com intuito de constranger seus adeptos.

159 - Ondinismo: Prazer relacionado ao ato de urinar, receber ou beber urina do parceiro.

160 - Orquifilia: Caracteriza-se pela atração sexual por testiculos.

161 - Paddle: Acessório em formato de remo.

162 - Parafilias: São caracterizadas por anseios, fantasias ou comportamentos sexuais recorrentes e intensos que envolvem objetos, atividades ou situações incomuns e causam sofrimentos clinicamente significativo ou prejuizo no funcionamento social ou ocupacional ou em outras áreas importantes da vida do individuo.

163 - Partenofilia: Atração sexual por virgens.

164 - Pedofilia: Parafilia cujo objeto de prazer do individuo adulto são crianças normalmente na puberdade.

165 - Pictofilia: Prazer obtido pela visualização de material erótico, fotos ou filmes, com a presença do parceiro.

166 - Pigmalionismo: Perversão sexual que consiste na satisfação da libido por meio da utilização de estátuas, feitas pelo próprio indivíduo.

167 - Pigofilia: Atração sexual intensa por nádegas.

168 - Plug Anal: Acessório de formato cônico, normalmente com superfície lisa e flexível, utilizado para penetração anal como forma de humulhação ou tortura.

169 - Podolatria: Fetiche cuja atração sexual são os pés.

170 - Pogonofilia: Parafilia que caracteriza-se pela atração sexual por barba.

171 - Ponyboy: Relação onde o submisso é tratado como um cavalo e age como tal.

172 - Ponygirl: Relação onde a submissa é tratada como uma égua e age como tal.

173 - Pregnofilia: Atração sexual por mulheres grávidas.

174 - Pretenders: São pessoas que tem estímulo sexual quando vivenciam o papel de um deficiente físico. O fetiche consiste em utilizar cadeira de rodas, muletas, bengalas ou aparelhos ortopédicos.

175 - Punhal: Arma branca curta, composta de uma lâmina pontiaguda e um cabo. Seu uso pode ser para fins de terror psicológico ou escarificações.

176 - Pushy Bottom: É a denominação que se dá para escravas que tendem a obter o poder durante uma cena através de jogos de manipulação.

177 - Quirt: Açoite com dois ou três chicotes curtos afixados a um cabo longo.

178 - RACK: Acrônimo de Risk Aware Consensual Kink, ou seja, risco assumido consensualmente para práticas não convencionais.

179 - Rainbow Kissing: É o ato de beijar a mulher menstruada após a ejaculação na mesma. O homem chupa o sêmen juntamente com o sangue menstrual e passa o fluido para a sua boca através do beijo.

180 - Rainbow Shower: É a denominação que se dá ao ato da mulher menstruada urinar sobre o parceiro sexual.

Glossário publicado originalmente no Portal Senhor Verdugo

Tay

sexta-feira, 26 de março de 2010

Entrelinhas


"De todas as taras sexuais, não existe nenhuma mais estranha do que a abstinência" (Millôr Fernandes)

quinta-feira, 25 de março de 2010

Histórias de Quinta


Diana e Rod se conheceram no trabalho.Ela do setor financeiro, ele do setor de projetos. Ambos tinham 28 anos. Di, como a chamavam no trabalho, era uma mulher tímida, falava pouco e  ninguém sabia dizer ao certo se era casada ou não, tamanha era sua discrição. Rod era homem bonito, expansivo, cabelos fartos. Fazia um estilo “surfista de terno”. A barba rasa mal feita lhe dava um ar sexy. Diana e Rod nunca haviam conversado antes que não fossem assuntos profissionais, até aquela tarde de sábado. O prédio onde trabalhavam possuía acesso por cartão magnético. E naquele sábado Diana decidiu adiantar o serviço da próxima semana como sempre gostava de fazer. Rod havia ido buscar sua carteira esquecida na gaveta da mesa do trabalho. Quando por coincidência se encontraram no corredor. Diana estranhou vê-lo no sábado, já que normalmente fica sozinha. Deu um tímido sorriso a ele, sacudiu a cabeça como se dissesse oi e fez menção de virar-se pra entrar na sala, mas Rod puxou conversa: “_Oi di,você anda trabalhando muito. Não gosta de sair aos fins de semana?“. “Não rod, eu quase não tenho amigos e moro sozinha, por isso prefiro gastar o tempo trabalhando”_respondeu Diana olhando-o fixamente e notando pela primeira vez que seus olhos eram cor de mel.  Diana usava um decote quase ousado, mas como era sábado e nunca encontrava ninguém no trabalho não havia visto problema em trabalhar com aquela roupa, mas agora percebia que Rod olhava pra dentro de seu decote e começou a questionar-se se havia sido uma boa ideia. Puxou a blusa mais pra cima,  e seu rosto ficou corado. “Você tem um corpo bonito Diana, porque não usa roupas mais apropriadas com a sua beleza?”. Insinuou Rod percebendo a situação. Ela apenas sorriu timidamente e baixou a cabeça preferindo não responder. Diana era uma excelente profissional mas carente e fazia tempo que não se relacionava sexualmente com ninguém. A noite quando sentia falta masturbava-se loucamente com as duas mãos desejando ter uma homem pra possui-la. O elogio de rod, fez Diana imaginar se ele teria algum interesse nela. De repente seus pensamentos foram apagados junto com a falta de energia no prédio. Não era possível que justo naquele sábado o vigia não havia ido trabalhar. Estavam presos, sem poder passar o cartão magnético na porta. Já eram quase 18h do sábado e o sol começava a sumir das janelas, deixando as sala escuras. “Vou ligar pra alguem vir nos tirar daqui.” disse Diana passando mão de seu celular na bolsa. Rod no entanto a impediu segurando docemente sua mão. “Por que não aproveitamos pra nos conhecer melhor?”. Não era possível. Aquele homem lindo e tão desejado estaria flertando comigo,logo comigo que não tenho atrativo algum?_pensava Diana. Ela ficou sem reação. Rod tirou o celular de sua mão e colocou sobre a mesa. Ela estava pálida, sem saber o que fazer. Ele passou as mãos em seu cabelos, e depois deslizou por seu rosto. “ O que esta fazendo?” perguntou ela com a voz tremula. “Ora, estamos nos conhecendo melhor Di. Sempre tive vontade conhece-la mais intimamente”. E após dizer isto, puxou-lhe pela cintura e deu-lhe um beijo bem molhado, enfiando com vontade sua lingua em sua garganta quase deixando-a sem ar. Diana mantinha as mãos caídas ao lado do corpo sem reação, sem coragem de dizer nada. Ele parou e esperou uma reação dela. Um tapa talvez, um grito. Rod havia sido tomado por um impulso e agora pensava no que tinha feito. Mas para sua surpresa, ela sorriu e ele voltou a puxa-la, dessa vez pelo cabelo. E enfiou sua lingua mais fundo ainda. Dessa vez uma mão descia por aquela bunda arredondada, escondida pelo pano da saia de seda que usava. Ela começou a gostar e a soltar pequenos gemidos. Diana não tinha sexo há muito tempo, e aquele toque já a havia deixado completamente molhada, escorrendo pelas pernas. Ele a puxava pra si e pressionava seu pênis naquela púbis. Dava pra sentir o volume em sua calça. “ Me mostra di, mostra do que você é capaz”. Ela já completamente fora de si, com os cabelos soltos e uma cara de safada, ajoelha-se e abre o ziper da sua calça. Aquele pênis grosso latejando some dentro da boca da tímida Diana. Rod gemia baixinho. Ela sugava com vontade. Engolia cada gota que saia dali, se revelava safada e gulosa. Sua boca bem molhadinha descia e subia sobre seu pênis. Rod estava louco pra retribuir, pegou Diana pelos cabelos e a jogou como um selvagem por cima da mesa. A colocou de quatro e por tras caiu de boca na sua xana molhada. “Nossa, ela ta toda molhadinha.” “Que cuzinho lindo” dizia Rod quando enfiava um dedo na boca para lubrificar e coloca-lo no ânus rosado de Diana enquanto continuava sugando sua vagina. Diana rebolava como louca naquele dedo e na boca gostosa. Ele era um homem muito habilidoso com as mãos e com a boca. Sua vagina dilatava, sentia seu grelinho tremer de desejo.E por um instante Diana perdera a cabeça e num grito desejo ela disse “ ME FODE COM VONTADE!”. Rod não pensou duas vezes, a puxou pelo braço virando-a e enfiou todo o seu membro duro naquela vagina  molhada que se contraia fortemente. Diana gemeu alto. A cada estocada o liquido escorria entre suas pernas, molhando os documentos que estavam sobre a mesa, de suor, de saliva, de desejo. Enquanto rod enfiava o pau nela, e sugava avidamente seu seio, ela ajudava massageando seu grelinho, o que a fazia requebrar ainda mais. “ Me fode, me fode. Me come como há muito tempo ninguém me come” gritava Diana completamente fora de si e que agora não lembrava em nada aquela moça tímida que rod conhecia. Ela abria bem as pernas, era incrível a abertura de diana. Suas pernas formavam um ângulo excitante apenas de olhar. Ele dizia em seu ouvido: _“Goza pra mim, quero ver você gozar gostoso”. Diana gritava de desejo enquanto rod a penetrava com força. Os dois acabaram gozando juntos abraçados, encharcados de suor e numa respiração ofegante. Di sentia o membro de rod ir lentamente amolecendo a medida que aquele liquido branco e quente escorria entre suas pernas. Vestiram-se e sem muitas palavra se despediram. Mas a partir daquele dia, o segurança do prédio notou que Diana aparecia todos os sábados para trabalhar e rod estranhamente sempre aparecia para buscar a carteira esquecida.

Pervertida

quarta-feira, 24 de março de 2010

Devore-me


Vento em Popa

Descrição: Deitada de lado, a mulher levanta a perna de cima como um mastro, dando espaço para que o parceiro se ajoelhe e a penetre, fazendo movimentos para a frente e para trás e curvas audaciosas.

Vantagens: O ângulo faz com que o pênis roce por toda a lateral da vagina encaixando profundamente. O parceiro pode acariciar os seios, o bumbum e as pernas, enquanto observa as reações da mulher.

Desvantagens: Não há.

Tay

terça-feira, 23 de março de 2010

Plenos Prazeres


A dica de hoje é um livro de Pauline Réage, chamado “História de O”...

O livro é um romance publicado em 1954 e costuma ser considerado um dos maiores clássicos da literatura erótica de todos os tempos. É uma novela sadomasoquista que veio a público poucos anos antes da morte da autora. É uma fantasia de submissão feminina de uma fotógrafa parisiense de moda que é vendada, acorrentada, chicoteada, marcada, feita para usar máscara, e ensinada a estar sempre disponível para o sexo oral, vaginal e/ou anal.

Eu recomendo!!!

Tay

segunda-feira, 22 de março de 2010

No Divã


Roberto, deite-se no divã...

Meu nome é Roberto, tenho 27 anos, casado a 1 ano e 3 meses e sem filhos. A relação com minha esposa sempre foi muito tranquila, e em relação a sexo, era bem quente no inicio, só de vê-la já ficava excitado, mas, de uns meses para cá, só consigo transar com ela se estiver assistindo filme pornô. Já tentei transar sem ver nada, ai foi uma decepção...

Por favor Tay, o que achas??? O que devo fazer???

Olá Roberto!!!

Bom, eu acho interessante as vezes ver filmes pornôs durante o sexo, mas, quando isso passa a ser uma regra, o papo é outro...acho que o tesão pela tua mulher acabou e estais transferindo o que sentes pelas cenas, pelas atrizes, para a tua transa. Acho que deves conversar com a tua mulher, ser franco e dizer o que está acontecendo, se for o caso terminar, que seja o quanto antes, afinal, ninguém deve ficar enganando os sentimentos alheios e muito menos os próprios...

Tay

domingo, 21 de março de 2010

Doce Deleite


Devoção - Patrícia Clemente

Molhados um do outro nossos corpos são,
Cansada, nos teus braços, queres me fazer dormir.
Não quero.
Não quero que se esfrie o meu suor no teu.
Não quero que se perca o teu cheiro em mim.
Entende, meu Senhor, eu não sou nada.
Mesmo que o queiras, nunca igual a ti.

Eu limpo em minhas roupas o suor do teu corpo,
Cuidadosa, seco o que deixei em ti,
Parte a parte tiro-te o suor do corpo,
Meu vestido enxuga o dorso, teus cabelos,
Tuas coxas, tuas pernas, teus quadris.
A calcinha limpa o teu sexo.

Depois me visto.
Com tua permissão me retiro
Levando teu cheiro em mim.

sábado, 20 de março de 2010

Glossário do Sadomasoquismo - Parte 2


61 - Clister: É a introdução de água ou qualquer outro liquido no intestino através do ânus. 

62 - Coleira: É um dos maiores simbolos do BDSM. Significa compromisso, comprometimento e propriedade. 

63 - Contrato de Servidão: O acordo feito entre as partes dominante e dominado, detalhando-se os direitos e deveres da relação.

64 - Coprofagia: Prática de comer fezes.

65 - Coprofilia: Atração patológica e associação sexual por sujeira, urina, vômito e especialmente por fezes e pelo ato de defecação.

66 - Coreofilia: Parafilia de individuos que sentem prazer sexual pela dança.

67 - Corset: Peça de vestuário cuja função é estreitar a cintura e projetar os seios para cima. Normalmente é feito de couro ou vinil.

68 - Cowplay: Denominação do nome do jogo onde a submissa representa uma vaca.

69 - Cream Pie: Prática na qual vários homens ejaculam durante o ato para em seguida apreciarem o esperma escorrer pela vagina ou ânus.

70 - Crematistofilia: Excitação sexual ao dar dinheiro, ser roubado, chantageado ou extorquido pelo parceiro.

71 - Crushing: Consiste em esmagar com os pés as partes mais sensiveis do corpo humano.

72 - Cuckold: Fetiche cuja satisfação sexual ou emocional se dá ao ver a companheira tendo prazer com outro (s) parceiro (s).

73 - Cutting: Prazer derivado do ato de cortar ou ser cortado pelo parceiro através de lâminas, bisturis ou facas.

74 - Dangle: Na podolatria é o ato de balançar o sapato ou sandália na ponta dos dedos.

75 - Dangling: Ato de balançar o sapato ou sandália livremente em um jogo de sedução.

76 - Degradação: Forma extrema de humilhação.

77 - Devotee: São pessoas que sentem atração sexual por deficientes físicos.

78 - Dogging: É o nome dado ao fetiche de fazer sexo em locais públicos com voyeurs assistindo a cena.

79 - Dom: Abreviatura de dominador.

80 - Dominador: Aquele que assume ou exerce o controle, que tem autoridade e dominio sobre o outro.

81 - Dominatrix: Feminino de dominador.

82 - Domme: Feminino de dom.

83 - Dungeon: Local equipado e preparado adequadamente para práticas do BDSM.

84 - Edge Play: Denominação genérica da prática do BDSM mais extremo, com os riscos reais para provocar danos físicos ou psicológicos.

85 - Efebofilia: Atração sexual por parceiros adolescentes.

86 - Eletroestimulação: Técnica que consiste em se dá estimulos elétricos para fins de tortura.

87 - Emetofagia: É uma parafilia que causa prazer ao ingerir vômito do (a) parceiro (a).

88 - Emetofilia: Prazer obtido com o vômito, podendo ser próprio ou do (a) parceiro (a).

89 - Endorfina: reação quimica liberada pelo cérebro em resposta à dor, causando uma sensação eufórica.

90 - Enema: É a introdução de água ou qualquer outro liquido no intestino através do ânus. 

91 - Engessamento: Uma técnica de imobilização usando-se gesso no corpo do (a) submisso (a).

92 - Erotofonofilia: Excitação gerada ao se fantasiar a morte do parceiro. 

93 - Escarificação: Técnica de cortar a pele superficialmente fazendo desenhos ou marcas especificas. 

94 - Escopofilia: É o prazer sexual em olhar órgãos genitais ou o desejo patológico de ser visto. 

95 - Espartilho: Peça de vestuário cuja função é estreitar a cintura e projetar os seios para cima. Normalmente é feito de couro ou vinil. 

96 - Espéculo: Instrumento destinado a dilatar a entrada da vagina ou ânus. Usando em cenas para humilhação ou castigo. 

97 - Estigmatofilia: Atração sexual por parceiros tatuados, com cicatrizes ou portadores de piercing, preferencialmente nas regiões genitais. 

98 - Exibicionismo: Como patologia é a forma de perversão que implica em exibir os órgãos sexuais. 

99 - Facesitting: Denominação dada em relacionamentos de dominação, quando a dominadora senta-se no rosto do submisso, podendo ou não haver sexo oral. 

100 - Fat Admirer: Fetichistas cujo objeto de desejo são as mulheres gordas. 

101 - Femdom (Female Domination): É a denominação dada quando todas as atividades BDSM são estritamente de dominação feminina. 

102 - Feminilização: Ato de humilhação, travestir um homem em mulher. 

103 - Fetichismo: Objeto de culto forte por associação simbólica ao ritual que o acompanha. Pode ser qualquer coisa inanimada onde é reconhecido um espírito estranho, apreciado não por si próprio mas por algum poder místico associado a ele. 

104 - Fisting: Ato de introduzir a mão inteira na vagina ou no ânus. 

105 - Flogger: Acessório com um cabo composto por várias tiras, podendo estas serem de couro, cordas de camurça ou outro material semelhante. 

106 - Footjob: É a denominação da prática da masturbação com os pés descalços. O pênis é pressionado, alisado ou pisado com o objetivo de provocar a ejaculação.

107 - Formicofilia: excitação sexual que se dá quando pequenos animais têm contato com seus órgãos genitais, seja através de mordidas ou pelo deslizar na pele. 

108 - Frotteurismo: Excitação sexual derivada do contato de órgãos genitais ao esfregar-se em outras pessoas sem o seu consentimento. O ato consiste em roçar seus órgãos genitais em coxas, nádegas ou seios. 

109 - Gang Bang: Denominação de sexo grupal entre uma mulher ou homem e vários homens. 

110 - Gerontofilia: É uma parafilia cuja atração sexual se dá por pessoas de idade avançada. 

111 - Ginemimetofilia: Parafilia cujo prazer se dá por homens que se relacionam eroticamente como mulheres. 

112 - GMSMA (Gay Male SM Activist): É uma organização representativa no meio homossexual americano, sem fins lucrativos e comprometida com os interesses do SM e SSC. 

113 - Golden Shower: Prática onde se urina sobre o (a) parceiro (a) com o objetivo de causar humilhação. 

114 - Guia: Corrente geralmente presa a coleira para a condução do (a) escravo (a). 

115 - Headscissors: Fantasia de ser asfixiado por uma chave de pernas. 

116 - Hibristofilia: Atração sexual por estupradores ou assassinos armados. 

117 - Hifefilia: Excitação gerada pelo contato de tecidos ou couro nas áreas eróticas do corpo. 

118 - Hipofilia: Parafilia que se caracteriza pela atração sexual por eqüinos. 

119 - Hipoxifilia: É o ato da excitação sexual pela privação do oxigênio. 

120 - Hook: Gancho anal de aço inoxidável para práticas de tortura envolvendo cordas.

Glossário publicado originalmente no Portal Senhor Verdugo

Tay

sexta-feira, 19 de março de 2010

Entrelinhas


"Não despreze a masturbação. É fazer sexo com a pessoa que você mais ama" (Woody Allen)

quinta-feira, 18 de março de 2010

Histórias de Quinta


Ela não me deu o telefone, endereço, nada. Sumiu por uns dias. Eu louco pra saber o que ela havia achado. "Pronto, me achou muito coroa pra ela, e não gsotou da transa" (sou sempre meio pessimista). Fiquei alguns dias xeretando a página dela no Orkut, mas nada! Eu fica online no MSN mas ela estava sempre off. Pronto, perdi a namorada! Não devia ter tentando comer a bundinha dela!

Na outra semana, um depoimento na minha página:

"Ma, meu gatão gostosinho, falei com a Dri, ela se arrependeu de não ter ido. Falei que vc é ótimo, é um "worthy meeting", que transa maravilha, que sabe tudo. Mas ela só topou numa condição: você não participar, apenas assistir nós duas. O que acha? Bjus, coisinha, ou Dani, rs rs".

Fiquei eufórico e só de pensar em estar com as duas gatinhas numa cama já fez o "menino" aqui acordar e levantar a cabeça! Tive que me controlar para não bater uma por conta.

Depois de alguns contatos nas páginas do Orkut ela disse: "Meu pai me mata se souber, por isso não posso te dar nem o celular, mas o resto eu dou tuuuuuudoooo".  Fomos acertando o encontro. Ela disse que a Drica não deixou colocar foto dela no Orkut - a Drica é artista e é um rosto conhecido, foi o máximo que consegui arrancar da Danielle. Mas eu morria de ansiedade e tesão, nunca havia conseguido deitar com duas mulheres. Podia ter feito isso pagando, mas jamais (jamais) na minha vida paguei por sexo. Prefiro gastar R$500,00 com uma menina do que pagar R$100,00 para transar. Tentei não me mostrar muito afoito para não assustar. A Dani me disse que estava num período de provas da PUC, por isso havia sumido, mas que pensava em mim todos os dias. E que havia se arrependido de não termos feito atrás (você devia ter insistido mais, seu bobinho), que se excitava pensando nela dando a bundinha para mim. Ela havia lido que a melhor posição para a mulher que não está costumada com anal é a mulher sentar nele e se fazer penetrar, com total controle da situação...

Marcamos novamente em frente ao Iguatemi, eu novamente achando que ia levar o bolo, mas quando parei meu carro e elas vieram, meu Deus! Duas gatinhas maravilhosas! A Drika, na verdade Yumi, era um japonesinha de 22 anos, com cara de 13, cabelos negros, lisos, aqueles olhos orientais lindos, corpo de menina, dentes perfeitos. A Dani sentou na frente, Yumi no banco de trás. Dani apenas me deu um beijinho no rosto, ao invés do selinho, e Yumi também me beijou protocolarmente no rosto. Escolhi um motel melhor mais chic, afinal a ocasião era de festa. Quando paramos na porta de entrada a Yumi me disse, séria:

- Seguinte, cara, a Dani é minha namorada, e eu só vim porque ela pediu muito, tá legal? Mas o garanhão aí só vai assistir, sem participar, tá certo? É pegar ou largar!

- Claro, era isso que estava combinado, tudo bem, só vou ficar vendo.

- Então tá, gosto das coisas muito claras!

Entramos na melhor suite, com piscina, teto solar, cama redonda king size. Pedi Campari para os três. Yumi era séria e decidida, ficou na cara quem era quem na relação. Dani, muito timida e atemorizada, me pediu para escurecer o ambiente, fechar as cortinas, e eu atendi prontamente. A cena ficou iluminada apenas por uma luz que entrava pela porta do banheiro. Após tomarmos a bebida, as duas se abraçaram em pé, e começaram a se beijar. Eu me senti num sofá de couro que havia ali, e comecei a contemplar aquela cena maravilhosa. Aos poucos, enquanto se beijavam, uma foi despindo a outra. O corpo de Dani eu já conhecia bem, de modo que prestei atenção na mestiçazinha. A Yumi tinha seios médios, pontudos, suspensos no ar milagrosamente, bicudos, com uma aureola rosada. A sua xaninha era peluda, escura como seus cabelos, sem nenhuma depilação. Ela tinha uma bundinha redonda, cheinha, sem o menor sinal de celulite, claro. Foram se despindo em pé, sempre abraçadas e se beijando carinhosamente. Yumi pegou nos seios de Dani e os acariciou, Dani só a abraçava. Depois se deitaram as duas. Continuaram aos beijos...

Yumi tomava a inciativa. Foi aos seios de Dani e começou a chupá-los devagar, enquanto sua mão descia para acariciar a xana da minha princesinha, que só gemia e se deixava amar. Yumi desceu, chegou na virilha, começou a lamber, enquanto sua mão acariciava os pelos loirinhos da "coisinha"...depois se colocou no meio dela, e passou a lamber o meio, o clitóris...minha princesinha gemia, arfava, arquejava na cama, agarrando o lençol com força. Dani começou a gozar, Yumi aumentou o ritmo das lambidas. Depois Yumi subiu, e colocou sua coxa no meio das coxas de Dani, e as duas começaram a se esfregar uma na outra, entrelaçadas, ignorando complemente minha presença ali. Eu ainda estava vestido, esparramado no sofá, e espantosamente sem uma ereção! Aquela cena tão linda, digna da pintura de um Renoir, aquelas duas ninfas belíssimas, jovens, esplendidas, se amavam de uma maneira mágica, num mundo que era só delas. De repente me dei conta que a cena, ao contrário de me excitar, me comovia imensamente! Sem que eu pudesse controlar, uma lágrima correu dos meus olhos, depois outra, depois outra, discretamente, no escuro do quarto. Mas não sei como, porque razão mágica, Yumi percebeu que alguma coisa estava acontecendo comigo. Saiu de cima da Dani e veio até meu sofá, nua e linda.

- O que foi, garanhão? Mas o que é isso, você está chorando? Dani, o Marcelo (foi a primeira vez que ela se dignou a falar meu nome) está chorando!

- Desculpem, mas é que a cena me comoveu, achei tão lindo isso de vocês duas, tão emocionante como eu nunca tinha assistido nada assim antes...

- Mas Dani, amor, onde foi que você descobriu um homem desses? Que maravilha, um homem sensível e romantico...e que não é viado, pensei que isso não existisse mais na face da Terra.e falando para mim: vem, querido, junte-se a nós, venha!

Sem jeito, sentei na beirada da cama redonda. As duas vieram pro meu lado, e começaram a me despir, enquanto me beijavam a boca carinhosamente, ora uma ora outra...num instante eu estava pelado...

Deitamos os três, então. Comecei chupando os peitos de Yumi, deliciosos! Depois cheguei na xua xaninha cabeluda, cheirosinha, gostosa...chupei também até levá-la à loucura! Em seguide, fui pra cima da Dani, enchi de beijos, mordidinhas, chupei os peitos, lambi a xana, ela gemia e choramingava...depois foi a vez delas. Eu deitado e uma ajoelhada de cada lado, disputando quem chupava meu pau que quase estourava de tesão. A Yumi fazia um movimento circular com a lingua, loucura, tive que fazer muita força para não gozar na boca da japonesinha. Quando foi a vez da Dani me chupar, a Yumi se ajoelhou por cima, e trouxe a bucetinha na minha cara. Esfregava em meu rosto, e me encheu a cara de seu mel. Coloquei ela virada pra cima e me encaixei no meio de suas pernas. Sem muitas delongas, estava enterrado na sua xana quente e umida, e bombei até ela gozar, mas me cuidado para não acabar. Saí de cima dela, Dani já me esperava de pernas abertas. Olhei pra Yumi, ajoelhado entre as pernas da minha coisinha e perguntei: Posso? Ela claro, claro, manda!

Meti em Dani, naquela bocetinha que eu já conhecia e amava. Ela me abraçava com as duas pernas e braços, gemia, mordia meu ombro, até que gozou fartamente também, e eu me segurando.

- Dani, você sabe o que eu quero agora, não sabe? perguntei.

- Mas claro, amor, você quer o cuzinho. Vamos, Yumi, como nõs combinamos!

Rindo muito, as duas, bem juntas, se ajoelharam na beirada da cama, colocaram suas cabecinhas lindas no travesseiro e levantaram bem as bundinhas. Eu, em pé fora da cama, olhando aquels dois cuzinhos rosados piscando para mim! Fui primeiro na japonesinha, e sem muito esforço meu pau mergulhou fundo, enquanto isso elas se beijavam. Ao mesmo tempo eu enfiava o dedo no cuzinho da Dani, preparando o buraquinho virgem para a primeira enrabada. Depois de satisfazer o cuzinho de Yumi, mas sem gozar, fui para trás de Dani. Olhei pra Yumi e de novo pedi permissão: Posso?

Autorizado com um tudo bem, acertei a ponta do pau no olhinho...

Comecei a penetrar devagar, ela gemia, dizia para, para, para...eu parava, dali a pouco enfiava de novo e ela para, para, tira, tira...de novo eu coloquei a ponta no lugar, mas fiquei só encoxando sem penetrar, deixando ali muito melado. Falei para ela relaxar, e Yumi também disse, relaxa amor, deixa entrar, vai ficar gostoso, deixa entrar...Peguei ela firme pela cintura e dei um tranco! Ela soltou um grito, mas a cabeça entrou! Fiquei parado, deixando ela se acostumar com o cacete, fiquei alisando a bundinha dela, dizendo calma, calma amor...ela foi se acalmando e relaxando...fui empurrando delicadamente, até que senti o anel mordendo o meio do pau...me dei por satisfeito e comecei a bombar..as mulheres dizem que a base do pau é que doi mais, porque é mais grossa e firme, mas me contentei em comer aquela bunda sõ com a cabecinha...e fui bombando, bombando. Yumi beijava a boca e dizia para ela se acalmar:

- Dá o cu pra ele, amor, pode dar o cu numa boa...

Dani foi se acalmando, quando fui ver ela começou a rebolar, a fazer um vaivem de encontro ao meu pau...aquilo me excitou ainda mais, e quando vi estava empurrando mais e mais para o fundo...resolvi jogar na bundinha dela toda minha gala, já não aguentava mais me segurar...fechei os olhos, aumentei o ritmo e so ouvia Dani gemendo:

- Ai, ai, ai, caralho, caralho, ai, ai ai...me fode, me fode Marcelo, me fode.

Larguei meus controles e gozei fartamente!!!!!!! Parei de bombar e deixei o pau vomitando litros de porra quente dentro daquele cuzinho de menina...segurava ela pela cintura, firme e forte, e só quando senti que não tinha nem uma gotiinha a mais para dar para ela, saí dela.

Desabamos os dois junto de Yumi...a japonesinha dizia para Dani:

- Felizarda, o Marcelo guardou toda porra sõ pra você, danada, te encheu de porra, safadinha, meu amor safadinha....

Ah, mas que festa! Depois pedimos cerveja, tomamos uma ducha a três e eu as levei para a porta da PUC, onde as duas se conheceram e estudavam, e eu fiquei com meu pau doendo...


MARQUES

Conto originalmente publicado em Contos Sacanas do MARQUES

quarta-feira, 17 de março de 2010

Devore-me


Sexo na Banheira

Descrição: O parceiro senta-se na banheira, esticando as pernas e colocando em seguida algo apoiando as costas, como, por exemplo, uma toalha. A parceira senta-se sobre ele, encaixando-se no pênis, inclinando-se para frente e apoiando as mãos no fundo da banheira.

Vantagens: A parceira controla a velocidade e a profundidade da penetração. O parceiro ainda pode ensaboar as costas dela para aumentar o prazer.

Desvantagens: Não há.

Tay

terça-feira, 16 de março de 2010

Plenos Prazeres


A dica de hoje é um site chamado "Solo Boys", com videos de sexo gay. Por lá também tem um chat interessante, uma sala de bate papo que trás a opção de conversa com video e audio, com vários contatos simultâneos. Vale a pena conferir e se divertir, seja vendo videos bem sugestivos, falar e/ou fazer umas sacanagens pela can.


Tay

segunda-feira, 15 de março de 2010

No Divã


Hoje o "No Divã" não poderia ser mais especial, afinal, o Confessionário da Sedução está comemorando um ano... \O/

Durante esse tempo escrevendo o blog confesso que conheci pessoas surpreendentes e Histórias marcantes. Li sobre fantasias e fetiches, ouvi duvidas, perguntas inesperadas, elogios, sugestões, algumas cantadas, umas leves e outras mais explicitas, ousadas...

O blog começou sem pretensão de ser um espaço tão acessado e comentado, foi uma maneira que encontrei de compartilhar algumas coisas que gosto de ler, fazer, falar...porém, esse sucesso é muito gratificante, é ótimo ver as pessoas comentando o que escrevo, o que falo, o que compartilho através do CS.

Fiquei extremamente feliz e envaidecida quando recebi a noticia que o site "Vila Mulher" (Portal Terra), elegeu três posts do CS como destaques. Os posts são esses:




Fico surpresa quando as pessoas vem falar que são fãs, que adoram os posts e que estão felizes em falar comigo, de conhecerem a "Tay".

Quero agradecer a todos que acompanham o CS, e pedir desculpa pela ausência alguns dias, o blog tomou uma proporção maior do que esperei e as 24h do meu dia não estão sendo suficientes para tanto trabalho, e para não escrever o blog de qualquer jeito, postar qualquer coisa só para ficar em dia, prefiro esperar o momento certo para retornar. Bom, para a felicidade dos meus confidentes e a minha também, hoje as postagens recomeçam...

Mais uma vez obrigada por todo o carinho, o Confessionário da Sedução é feito para vocês!!!

Tay