domingo, 21 de fevereiro de 2010

Doce Deleite


Contenda - Walter Dimenstein

Começa a doce contenda

As tuas partes pudendas

Túrgidas e deslizantes

Abarcam meu corpo fálico

Semipétreo e pulsante

E flui o êxtase mágico

Com murmúrios e caricias

Ó que sublime delícia

sábado, 20 de fevereiro de 2010

Glossário do Sadomasoquismo - Parte I


Em minhas leituras atrás de assuntos interessantes para o blog, achei um portal muito interessante chamado Senhor Verdugo, sobre BDSM (Bondage, Disciplina, Sadismo e Masoquismo). Para ter acesso clica AQUI. Um dos posts que mais chamou minha atenção foi um glossário detalhado sobre Sadomasoquismo. As definições serão divididas em quatro postagens. Vamos lá... 

1 - 24/7: Relação em tempo integral, ou seja, 24 horas por 7 dias da semana. 

2 - Açoite: Acessório com um cabo composto por várias tiras, podendo estas ser de couro, cordas camurça ou outro material semelhante. 

3 - Acomoclitismo: É a excitação sexual por genitais que tenham sido parcialmente ou totalmente depilados. Nesta fantasia, o individuo fica excitado ao ver as partes genitais de outras pessoas ou de si mesmo.

4 - Acrotomofilia: Indivíduo cujo fetiche é voltado para pessoas que tenham membros amputados, seu prazer é proporcionado pela ausência do membro. 

5 - Agalmatofilia: Excitação derivada da visualização de estátua ou modelo representativo de pessoa nua. 

6 - Age Play: É um jogo no qual o submisso(a) assume um papel infantil, o de uma criança. Sinônimos: autonepiofilia e infantilismo. 

7 - Agorafobia: Pânico de estar em locais onde possa ser difícil a fuga, a fobia não é necessariamente pela presença de pessoas, mas pelo medo antecipado de sentir-se mal e não poder sair. Pode manifestar-se nas mais diversas situações como: túneis, cinemas, teatros, etc... 

8 - Agrexofilia: Fetiche cujo prazer implica em saber que outros ouvem, vêem ou sabem que se está praticando um ato sexual. 

9 - Agrofilia: Desejo obsessivo de manter relações sexuais no campo ou mato. 

10 - Aiquemofilia: Prazer ou excitação sexual derivada do uso de agulhas ou objetos perfurantes. 

11 - Albutofilia: Fetiche cujo prazer é gerado pela água (duchas ou banhos quentes). 

12 - Alfamegamia: Atração por homens de idade avançada. 

13 - Algemas: Instrumento de ferro, constituído basicamente por duas argolas interligadas, com a finalidade de imobilização.

14 - Algolagnia: Perversão daquele que só tem prazer sexual associado a uma dor experimentada por ele mesmo ou infligida a outrem. Um sinônimo para sadomasoquismo.

15 - Altocalcifilia: Fetiche por pés e sapatos. Denominação cunhada por Sigmund Freud. 

16 - Amelotasis: Inclinação sexual por indivíduos com membros amputados. 

17 - Amelotatista: Indivíduo cujo fetiche implica em amputação de seus próprios membros. Tem a fantasia de tornar-se deficiente físico. 

18 - Analingus: Termo "científico" para identificar o sexo oral-anal. 

19 - Andromimetofilia: Parafilia cuja atração sexual é por mulheres que imitam, agem ou vestem-se como homens.

20 - Anemofilia: Característico em individuos que tem grande excitação quando sentem vento ou sopro de ar em áreas erógenas. 

21 - Apotemnofilia: Indivíduo cujo fetiche implica em amputação de seus próprios membros. Tem a fantasia de tornar-se deficiente físico. 

22 - Asfixia erótica: É o ato da excitação sexual pela privação do oxigênio, obtida por meio de compressão torácica, garrotes, ataduras, sufocação com saco plástico, máscara ou substância química (freqüentemente um nitrito volátil que produz uma redução temporária da oxigenação cerebral pela vasodilatação periférica). As atividades de privação de oxigênio podem ser executadas a sós ou com um parceiro.

23 - ATM: É o acrônimo de Ass-To-Mouth (Do ânus para a boca). Um comportamento cada vez mais comum em filmes pornôs, consiste em tirar o pênis durante o sexo anal e colocá-lo imediatamente na boca da pessoa penetrada para prática do sexo oral. Entre mulheres, usam-se acessórios e o procedimento é idêntico. Sinônimos:A2M ou Arse-to-Mouth.

24 - Autoasesinofilia: Excitação derivada pela encenação da própria morte.

25 - Autonepiofilia: Excitação do indivíduo ao representar um bebê de fraldas e ser tratado como tal. 

26 - Axilismo: Fetiche que envolve o uso das axilas no ato sexual, seja pelo cheiro ou pelo prazer de lambê-las.

27 - Ballbusting: É a prática da tortura genital masculina onde se chuta, pisa e aperta-se o saco escrotal por diversão. Muitos homens tem prazer em ter seus testículos esmagados por solas de sapatos, sandálias ou pés descalços.

28 - Ballgag: Pode ser uma esfera de borracha dura com uma correia ou artefatos semelhantes, que ficam entre os dentes com o objetivo de impedir a fala.

29 - Bareback: Relativo à penetração sem uso de preservativo. É um termo usado normalmente em comunidades gays e é considerado excitante pelo alto risco implícito.

30 - Bastinado: Nome dado para punições aplicadas nas solas dos pés. Geralmente usam-se ripas de bambus ou material equivalente. A técnica empregada é a de toques leves, porém contínuos.

31 - Baunilha: Definição dada para práticas ou pessoas fora da filosofia SM.

32 - BBW: É o fetiche por mulheres gordas, bonitas e sensuais. Já existe toda uma indústria de vídeos, sites e publicações gráficas voltadas para o público admirador desse padrão de beleza.

33 - BDSM: É o acrônimo de “Bondage, Disciplina, Dominação e submissão, Sadismo e Masoquismo”.

34 - Belonofilia: Prazer ou excitação sexual derivada do uso de agulhas ou objetos perfurantes.

35 - Belting: A prática de golpear uma pessoa com um cinto ou com qualquer objeto longo semelhante a correia de um cinto.

36 - Biastofilia: Excitação provocada pela reação da vítima (normalmente um estranho) ao ser aterrorizada.

37 - Blood Play: Tipos específicos de jogos que envolvem ferimentos com sangue. Geralmente usam-se agulhas, facas e outros objetos cortantes.

38 - Body Bag: Uma sacola semelhante a um saco de dormir, moldada a ajustar-se ao corpo causando restrição de movimentos. Normalmente feita de borracha, lona ou látex.

39 - Bottom: Aquele que recebe ordens do TOP. Uma pessoa que recebe spankings, torturas, ou outras formas de estímulo em situações que especificamente excluem a troca de poder.

40 - Bracelete: Acessório para fins de imobilização utilizado nos pulsos.

41 - Branding: Ato de marcar a pele a ferro quente através de um instrumento metálico aquecido, deixando uma cicatriz definitiva.

42 - Breath Control: É o ato da excitação sexual pela privação do oxigênio, obtida por meio de compressão torácica, garrotes, ataduras, sufocação com saco plástico, máscara ou substância química (freqüentemente um nitrito volátil que produz uma redução temporária da oxigenação cerebral pela vasodilatação periférica). As atividades de privação de oxigênio podem ser executadas a sós ou com um parceiro.

43 - Bukkake: Terminologia japonesa dada à prática de ejaculação coletiva em uma pessoa. Geralmente todo o esperma deve ser bebido ou recolhido de outro lugar. Tem sido vista como uma nova parafilia.

44 - Cane: Vara (normalmente de rattan), flexível, usada para castigos disciplinares.

45 - Canga: Um aparelho de restrição de movimentos composto por uma barra metálica ou uma prancha de madeira. Sua função é prender os pulsos e o pescoço.

46 - Capuz: Feito em couro ou material semelhante, tem várias finalidades, vai desde a privação dos sentidos até a privacidade de quem o usa.

47 - Catfighting: É a denominação dada a uma modalidade de luta entre mulheres com insultos verbais, arranhões, puxões de cabelos e roupas rasgadas. 

48 - Cavalete: Acessório usado em cenas BDSM com o propósito de imobilizar ou para servir de apoio as outras práticas.

49 - CBT: Acrônimo inglês de cock and ball torture, refere-se à tortura peniana e/ou testiculos.

50 - Cela: Cômodo de reduzidas dimensões para abrigar prisioneiros, no BDSM usa-se como forma de castigo ou punição.

51 - Chat: Ambiente virtual na internet propício para conversar com uma ou mais pessoas.

52 - Chicote: Acessório feito de couro, geralmente longo e com tiras de couro trançadas e presas a um cabo. No BDSM usa-se para aplicar castigos físicos.

53 - Chuva de Prata: Termo usual para banho de esperma.

54 - Chuva Marrom: Prática que consiste em evacuar sobre o (a) submisso (a).

55 - Chuva Romana: Prazer obtido com o vômito, podendo ser próprio ou do (a) parceiro (a).

56 - Cinofilia: Fetiche por cães, amizade e as vezes atração sexual.

57 - Cinto de Castidade: Acessório para o castigo ou privação do ato sexual da escrava.

58 - Circuncisão Feminina: Remoção parcial ou total do clitóris, pequenos e grandes lábios.

59 - Clamp: Objeto usado para exercer pressão em determinados pontos do corpo, geralmente mamilos e lábios vaginais.

60 - Clismafilia: É o prazer sexual exclusivo ou preferencial por clister.

Tay

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Entrelinhas

 
"O sexo é o consolo que a gente tem quando o amor não nos alcança" (Gabriel García Márquez)

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Histórias de Quinta


"A gatinha do Orkut"

Ela gostava de ler meus contos no Orkut, e depois de me elogiar com muita sinceridade, pediu meu MSN e começamos a conversar com freqüência. Percebi que ela era muito novinha, disse logo que havia uma diferença de idades, por mim tudo bem, mas não sabia se ela estava interessada num cara grisalho como eu. Para minha alegria, ela me disse que não achava graça em carinhas novos, que não tinham nada na cabeça, e que sempre teve atração por homens maduros. Deus existe!

Ela me mandou duas ou três fotos e eu a principio não acreditei que fossem dela, o Orkut está cheio de perfis fakes montados com fotos de modelos lindas e gostosas. Mas ela acabou me convencendo. Também mandei uma foto minha, que era para ela desistir, mas para minha enorme alegria ela me achou lindo, fazer o quê?

Como resultado acabamos marcando um encontro num local de grande público, e eu fui pra lá não acreditando muito no sucesso do encontro. Mas...

A primeira reação dela foi de surpresa:

- Nossa, mas é você o Marcelo?

- Que foi? Desapontada?

- Não é isso, você é um pouco mais velho que eu pensava...cara, peraí, deixa fazer o download do tua figura...pera, pera.... pronto! Vou salvar!

E caímos na risada! Levei a gatinha para tomar um capuccino na Kopenhagen, divino, e depois ficamos andando no shopping e conversando, rindo de nossas bobagens. Pensei comigo que jamais uma menina daquelas iria adiante comigo, mas resolvi fazer o meu papel de macho e tentar, pelo menos tentar:

- E aí, "coisinha" linda, como fica aquele nosso programa a três? (Claro que não, pensei, vai me dar um chega prá lá, tio!)

- Ué, por mim tá firme, vc que sabe! Porque? Me achou feia? Ém, não sou gostosona como aquelas fotos do Orkut, já sei...

- Não, nada disso, achei vc linda, uma graça. Vamos mesmo? Tá afim de encarar o coroa aqui?

- Claro, não foi isso que combinamos? Mas minha amiga não topou, em três não vai rolar, tudo bem? Ou quer desistir?

- Nada disso, prefiro só nó dois! E quando você poderia? Ahm, devo avisar que fiz vasectomia, não deixo ninguém de barriguinha grande! E também que sou casado e faz uns três anos que não saio com ninguém! Tudo bem?

- Hoje eu não posso, mas amanhã eu posso, mas tem que ser de manhã, no horário da faculdade, pode ser?

Nem preciso dizer do meu entusiasmo! Ela era lindinha, cabelos compridos, loiros, lisos, carinha de boneca, 18 anos. Marcamos para um ponto de onibus da Faria Lima em frente ao Shopping no dia seguinte, 8,00horas. Fui pra casa nas nuvens, mas duvidando que aquilo ia acontecer. Claro que ela não vem! Claro que fez isso sõ para não me desapontar! Claro que, claro que....

Mas eu fui. E pontualmente às 8,00hs a apanhei, com suas pastas e livros, cara de colegial, bem em frente o Iguatemi. Ela entrou no carro sorrindo, de jeans e camiseta, e trocmaos um selinho de bom dia. Eu não acreditava! Puta que pariu, uma menina, a "coisinha" do Orkut, ali no meu carro, partindo para um motel na marginal...

Consegui entregar apenas documento meu na portaria do motel, ela botou meus oculos escuros e ficou olhando para o outro lado. Quando subimos a escada rumo ao quarto, sua bundinha balançava na minha frente pra lá, pra cá, pra lá, pra cá...Entramos, tranquei a porta, ela colocou os livros sobre a mesa.

- Quer beber alguma coisa, amor? perguntei.

- O que você beber eu bebo., tanto faz.

- Coca Cola? rs rs rs brincadeira, gosta de Campari?

- Adoro, pode pedir!

Ela andou pelo quarto, foi ao banheiro, olhou tudo, testou as luzes, ligou a Tv estava num canal erótico, os caras gemendo (Deus me livre, que feio! disse ela) e desligou, ligou o radio, musica alta, desligou...E eu pensando, meu deus, ganhei na loteria, por onde eu começo?

Comecei botando ela no meu colo. Começamos a nos beijar carinhosamente, demorei um pouco até o pegar no peitinho dela. Ela que estava meio comportada, quando sentiu minha mão no peito, pegou fogo! Tornou-se fogosa, me beijava com fome, mordia meus lábios...fui desabotoando a blusa branca dela, tirei, ficou de sutian branco, comum...abaixei só uma alça, surgiu um peitinho médio, com o bico rosado, uma gracinha...comecei a beijá-lo, depois subi a alça de novo. E fazia assim, descobria, chupava, depois cobria de novo. Ela ficou em pé na minha frente, soltou o zipper do seu jeans e tirou a calça, apareceu uma calcinha branca meio antiguinha, mas o volume da xaninha estufafa a calcinha. Ela na minha frente, só de calcinha! Tirei minha camisa, soltei o cinto, baixei o zipper, tirei minha calça. O pau parecia querer explodir a cueca azul. Coloquei ela no colo de novo e voltamos a nos beijar. Eu apertava seus peitinhos, mexia nos biquinhos, depois desci e enfiei a mão dentro da calcinha. A xaninha estava encharcada! Quuando botei a mão lá ela quase deu um pulo no meu colo! Levantamos, elvei ela para a cama, ela se deitou assim, de calcinha, e eu fui pra cima! Beijos, chupadas de peito, cheguei na calcinha. Tirei logo aquilo e surgiu uma bucetinha loira, peludinha sem depilação, linda.

Comecei a lamber e chupar aquela xanminha feresquinha, cheirando a sabonete...quando comecei a trabalhar no meio, no grelinho, a gatinha começou a empinar o corpo, corcovear quase descontrolada, minha cabritinha! Caprichei mais, ele gemeu, chorou, apertou minha cabeça contra a xana e encheu minha boca e minha cara de leite! Gozou farta e ruidosamente na minha cara!!!!

Peguei a toalha que estava perto do travesseiro, limpei o rosto, olhei pra ela...estava vermelha, olhos arregalados....olhou pra mim e sorriu...um doce sorriso de mulher que acabou de gozar... Da lado, comecei a beijá-la carinhosamente:

- MInha menina, minha menina...

E comecei a alisar seu corpo, sua bundinha branca que eu via pelo espelho.

- Agora é minha vez, gatinha, vai, desce, dá uns beijos nele...

- Beijar? O pinto?

- Isso, amor, beijar, dá uns beijinhos nele, ele tá te querendo...

Meio sem jeito ela foi descendo, até que chegou no pau. Pegou nele com aquela mãozinha de fada, segurou e botou na boca de uma vez só! Gemi e tremi ao mesmo tempo! Aquela boquinha de anjo, quente, gostosa, na meu pau...mas ela ficava parada, com o pau na boca.

- Faz assim, amor, faz pra cima e pra baixo.

Tive que ensinar, veja só. Ela começou a chupar sem jeito, mas deliciosamente, num instante aprendeu. Mas seus dentinhos de vez em quando apertavam o pau e doía:

- Cuidado, amor, cuidado com os dentes, não morde!

Ela como boa aluna se esforçava, e eu me segurava para não gozar naquela boquinha. Pensei num jeito bom de penetrá-la, afinal meu pau é bem grande para uma menininha. Fiquei de barriga pra cima, e mandei ela se ajoelhar por cima. Ela obedeceu, direcionei o pau para a entrada da xana e pedi para ela ir baixando do jeito que quisesse. Ela meio sem jeito vacilou, masaos poucos foi se ajeitando e meu pau foi sumindo naquela gruta quente e molhada...quando se sentiu penetrada, ele fechou os olhos e começou a me comer. Sim, ela é que estava me comendo, mulheres por cima comem os namorados! Ela rebolava, gemia, revirava os olhos.

Ela num instante gozou com alvoroço, dizia meio louca:

- Mamãe, mamãe, meu deus, mamãe!!!! Ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh

Pulava feito louca, o pau cravado fundo...eu não consegui me segurar mais e me deixei levar...ohhhhhhhhhhhhhhhhhhh gozei fartamente dentro dela! Quando se sentiu inundada por dentro, queimando, ela redeobrou os movimentos, galopando com tesão, e eu gozando, gozando...até qu ela saiu de cima e desabou ao meu lado...

Descansamos, ela se deitou de bruços, cansada...com aquela bundinha linda virada pra cima... mas meu gás tinha se acabado e tive que esperar para me refazer...ela, sem se virar, procurou meu pau, eu de barriga pra cima...quando o achou, ficou segurando ele carinhosamente...pra que? Num instante ele estava se armando de novo!

- Nossa, de novo? Tão rápido??? kkkkkkkkk Mas não largava dele.

Ajoelhjei na cama, ela fez menção de se virar de barriga pra cima mas eu não deixei:

- Fica assim, fica assim, amor... Ela obedeceu e ficou, me olhando com aqueles olhinhos sacanas...

Ajoelhei sobre ela e fui direto na bundinha, beijando, mordendo de leve as nádegas, depois lambendo o reguinho sem parar, até parar no cuzinho escuro. Alí fiquei bastante temp, lambendo tentando penetrar com a lingua e ela só gemndo:

- Assim vc me mata, que coisa mais boa!

Ajoelhei e coloquei a cabeça no cuzinho, e forcei um pouco, mas ela deu um grito:

- Ai, assim não, assim não! Tira, tira, tá doendo!

Parei, depois comecei a tentar de novo. Mas cada vez que apertava um pouco ela protestava:

- Na bunda não, na bunda não, não quero! Não quero!

- Tudo bem, amor, tudo bem. Então vou botar na frente, tá bom?

Fiz com que ela se levantasse e a coloquei ajoelhada na beiradinha da cama. Aquele cuzinho rosado olhando pra mim, aquela bundinha linda...mas não tinha jeito, não se pode sere bruto com as mulheres, não quer dar a bunda, não precisa dar. Ela ajoelhada, de quatro, direcionei o pau pra o meio das coxas, achei a entrada da xana e penetrei por trás. Maravilha!

Peguei ela pela cinturinha, e fui metendo devagar, sem pressa, gostosamente. Ela gemia, ria, choramingava, eu deixava o pau bem no fundo e dava pequenos trancos, segurando ela pelas cadeiras. E olhando aquele cuzinho que pelo menos desta vez eu não ia comer...bombei, bombei até sentir que ela ia gozar, esperei a gatinha espernear, ganir,, desfrutando do meu pau de homem experiente e maduro. Depois que ela arrefeceu, cuidei de mim, e bombei até explodir dentro dela. Uma festa! Descansamos um pouco.

- Tenho que ir, Marcelo, tenho que ir, está na minha hora!

- Claro princesa (e eu nunca chamo ninguém de princesa!) claro, vamos!

Tomamos banho juntos, ajudei ela a se vestir e fomos embora. No carro, antes de deixá-la da porta da PUC, em Perdizes, depois de um longo beijo, perguntei:

- E aí? Gostou? Estou aprovado?

- Nota dez, meu coroa, nota dez! Vou falar pra Drika o que ela perdeu!

Mais uma bicota e adeus...

MARQUES


Continua...

Conto originalmente publicado em Contos Sacanas de MARQUES

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Devore-me


Proposta Indecente

Descrição: A parceira deita-se de lado numa superfície bem lisa. Apóie-se sobre o braço, levantando a perna de cima bem esticada, formando um ângulo reto. Pode imaginar convite mais explícito? O parceiro ajoelha-se entre as pernas da mulher e começa a penetração.

Vantagens: O parceiro obeserva o corpo inteiro da mulher, e a posição possiblita uma penetração profunda, sentindo a bunda da parceira na base do pênis.

Desvantagens: A posição impossibilita beijos na boca.

Tay

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

Plenos Prazeres


De Olhos Bem Fechados

- Ficha Técnica
Título Original: Eyes Wide Shut
Gênero: Drama
Tempo de Duração: 159 minutos
Ano de Lançamento (EUA): 1999
Direção: Stanley Kubrick
 
- Elenco
Tom Cruise (Dr. William "Bill" Harford)
Nicole Kidman (Alice Harford)
Madison Eginton (Helena Harford)
Jackie Sawiris (Roz)
Sydney Pollack (Victor Ziegler)
Leslie Lowe (Illona Ziegler)
Todd Field (Nick Nightingal)
Sky Dumont (Sandor Szavos)
Louise J. Taylor (Gayle)
Stewart Thorndike (Nuala)
Randall Paul (Harris)
Julienne Davis (Amanda Curran)
Lisa Leone (Lisa)

- Sinopse
O médico William Harford (Cruise) e sua esposa, Alice (Kidman), cansados por nove anos de matrimônio, flertam separadamente numa festa na casa de Victor Ziegler (Pollack). No dia seguinte, relaxados pela maconha, conversam francamente sobre seus ciúmes ao pé da cama. Sentindo-se provocada pela aparente indiferença do marido, Alice confessa que teve desejos sexuais por outro homem durante as férias da família. Bill fica irado com o adultério imaginário, mas o confronto iminente é interrompido pelo telefone anunciando a morte de um paciente. Ele vai para lá e é surpreendido por uma inesperada declaração de amor de Marion (Richardson), filha do falecido, que está de casamento marcado. Atordoado, na volta Bill encontra uma prostituta (Vinessa Shaw) e só não chega às vias de fato porque novamente um telefonema interfere. O médico volta a perambular pela cidade, reencontra um amigo pianista dos tempos da faculdade e convence-o a dar o endereço onde se pratica uma espécie de orgia secreta. Isso seria apenas uma experiência bizarra, se essa jornada não culminasse num misterioso caso de assassinato, num desaparecimento e em ameaças contra sua própria vida. Desorientado entre a sensualidade, o mistério e o medo, Harford tenta organizar-se de maneira racional em meio a uma atmosfera cada vez mais tensa para descobrir o que realmente aconteceu, recompor-se e buscar a reconciliação com a esposa.

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

No Divã

 
Yuri, deite-se no divã...

Tay, adoro o seu blog, e fiquei muito feliz com o retorno das postagens. Vou confessar algo para você: eu adoro me masturbar e beber meu próprio sêmen. O que você acha dessa atitude???

Olá Yuri!!!

Obrigada por acompanhar o blog, ele é feito para vocês...

Bom, não é primeira vez que leio algo assim, e a minha opinião é a seguinte: essa não é uma situação comum, e eu acho que tudo é válido em relação ao prazer, nosso ou do (a) parceiro (a), desde que as atitudes não façam mal a nenhum envolvido.

Tay

domingo, 14 de fevereiro de 2010

Doce Deleite


Traição - Silvio Helder L. Senne

Viajo até o ponto mais arrepiante da tua nuca
Percebo o endurecimento do seu corpo
Teus seios
Teus braços
Tua boca
Arrepios
Calafrios
Minha mão decorando teus poros
A ponto de contá-los
Um a um
Conheço o gosto de cada centímetro
Beijos
Cheiros
Misturas
Sinto tremores
Amores
Fisgadas
Calafrios
Minha mão decorando teus pelos
Conheço-os um a um
Cobertura delicada
Da meiga e rija vulva
Que sabe dizer o meu nome
Que me beija
Já não sei onde fica a sua boca
Língua
Mistura
Carnes em estado de fusão
Corpos em estado de tesão
Gozo
Gritos
Beijos
Mentiras
Promessas falsas
Traição

sábado, 13 de fevereiro de 2010

Fetiche


A palavra fetiche tem seu significado de acordo com o ponto de vista. Por exemplo, na psicanálise, significa atribuir valores a objetos, algo que lembra alguma situação ou alguém. Mas, a idéia que mais se utiliza, quando se pensa em fetiche é adorar ou desejar alguma coisa para satisfazer um desejo. Muitas pessoas confundem o fetiche com fantasia, o fetiche é palpável, a fantasia é uma idéia de situação que não precisa necessariamente ser realizada.

Tem pessoas que tem fetiche de transar em lugares públicos, outros em escadas, alguns com 3 ou mais pessoas. Mas existem fetiches que não são tão comuns assim. Segue a lista com alguns fetiches um pouco bizarros:
  • Agalmatofilia: Também chamada de Estatuofilia é a excitação por bonecas, manequins, estátuas ou modelos representativos de pessoas nuas. Nem pense em deixar uma barbie perto de alguém assim …
  • Autonepiofolia: Excitação de estar vestindo fraldas e ser tratado como bebê. Gugu dada...
  • Clismafilia: É o fetiche em que o praticante obtém prazer a partir de enemas ou a chamada chuca. A maioria dos clismafilos são heterossexuais, com a mulher sendo a única a receber o enema, administrado pelo homem.
  • Coprofagia: É o consumo de matéria fecal.
  • Coprofilia: É o prazer sexual obtido através do uso de fezes. O fetiche pode envolver defecação sobre um parceiro que é chamado de chuva negra, freqüentemente feito na boca da outra pessoa.
  • Crush Fetish: É o desejo de ver pequenos insetos ou animais serem esmagados até a morte.
  • Emetofagia: É excitação obtida através do ato de ingerir vômito, o que geralmente é recíproco de ambos os parceiros dessa prática.
  • Emetofilia: Também conhecido como "banho romano", é a excitação obtida com o ato de vomitar ou com o vomito de outro. “
  • Exibicionismo: Excitação oriunda da exposição dos órgãos genitais à outra pessoa em locais públicos. São geralmente pessoas tímidas e podem se masturbar durante ou após a exposição.
  • Fetiche de sangue: Este fetiche ocorre quando uma pessoa obtém satisfação em assistir alguém sangrar, ou simplesmente vendo sangue no corpo nú. O fetiche de sangue é muitas vezes acompanhado pelo ato de lamber ou beber sangue através de sangria. Muitas vezes isto é feito por mordida, embora não seja uma regra, devido ao risco potencial de um dano mais grave ou de infecção. Na maioria das vezes é utilizada uma lâmina.
  • Formicofolia: Excitação ao ser mordido por formigas ou pequenos que deslizam, arrastam e mordem os seus genitais, a região do períneo e os mamilos.
  • Furry Fandom: É a classificação dada às pessoas que gostam de vestir-se como animais antropomórficos, ou ver outras pessoas vestidas. Os simpatizantes deste fetiche gostam de ver pornografia relacionada à pessoas vestidas como animais, e do envolvimento delas em atos sexuais.
  • Lactofilia: É o prazer obtido por ser amamentado como uma criança nos seios. O prazer pode estar tanto em quem toma o leite, quanto para a mulher que fornece o leite. Há casos de homens que procuram somente por mulheres lactantes para que tenham o prazer de beber o leite. Há, por exemplo, prostitutas, que oferecerem seu leite aos clientes.
  • Menofilia: Excitação por mulheres menstruadas.
  • Necrofilia: É a atração sexual por cadáveres humanos.
  • Omorashi: É um fetiche criado no Japão. Consiste na excitação sexual por estar ou ver um parceiro com a bexiga cheia. Para os praticantes deste fetiche, o clímax normalmente coincide com o momento de alívio e constrangimento experimentado quando a pessoa perde o controle da bexiga.
  • Simforofilia: O indivíduo que se excita ao ver ou imaginar um acidente e observar suas conseqüências.
  • Teratofilia: É a atração sexual por pessoas deformadas. Uma versão das variações da teratofilia é acrotomofilia, atração sexual por amputados. Um crescente interesse comercial para este tipo de atração sexual tem sido registrado.
  • Urofagia: Onde os praticantes bebem a urina do parceiro.
  • Urolagnia: Também conhecida como "chuva dourada", é quando uma pessoa obtém prazer sexual em urinar ou ver outras pessoas urinarem.
Tay

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Entrelinhas

 

"Sejamos diretos para não sermos idiotas: eu te quero. Você me quer? Não sabe? Ah, então vá pra puta que te pariu" (Tati Bernardi)

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Histórias de Quinta


"Entre as pernas de Sofia"

Conheci Sofia no finalzinho das férias de janeiro, através de uma amiga. Essa amiga disse que Sofia estava se transferindo para a universidade em que estudávamos e procurava um lugar próximo para morar, mas não tinha achado nenhum que lhe agradasse e coubesse no orçamento. Assim sendo, a garota estava preocupada, pois as aulas começariam na semana seguinte e ela ainda não tinha se instalado.
Com a melhor intenção possível, disse à minha amiga que Sofia poderia ficar no meu apartamento, que tinha dois quarto e ficava perto da universidade, até encontrar um lugar para morar. Deixei bem claro que ela teria a maior privacidade e liberdade possível, pois eu estagiava durante o dia, estudava durante a noite e geralmente ficava com Ana durante os fins de semana. Minha amiga ficou muito agradecida, disse que no dia seguinte traria Sofia para me conhecer melhor.
Um dia depois, como havia prometido, minha amiga trouxe Sofia para eu conhecer, confesso que fiquei um pouco encantada com a garota. Seus cabelos ruivos e compridos, os olhos grandes e verdes, os lábios bem desenhados e vermelhos lhe davam um semblante de anjo inocente. Sua pele branquinha era coberta por algumas sardas que se espalhavam por toda a sua extensão. Era magra, alta, teria jeito para ser modelo se não fosse tão tímida. Nos gostamos de imediato e poucos dias depois ela já estava se mudando para meu apartamento.
Ela trouxe poucas coisas consigo, eu a deixei bem a vontade para arrumar o quarto como lhe agradasse. Fomos nos conhecendo melhor com o passar dos dias. As aulas recomeçaram e eu chegava bem tarde em casa, mas Sofia sempre estava me esperando.
Aproximadamente um mês depois de chegar em casa, Sofia achou um apartamento localizado um pouco longe do meu, mas exatamente o que ela queria: não muito espaçoso, mas aconchegante e perto da universidade. Fiquei muito feliz por ela, apesar de sentir um leve peso no coração, pois sabia que ia sentir falta de sua presença. Ela decidiu que se mudaria no domingo seguinte.
Na manhã de sábado, saí a passeio com Sofia, pois havia prometido que faríamos uma "despedida". Fomos de carro até uma cidade litorânea só para ver o mar. Fizemos compras e experimentamos todas as comidas típicas da região. Só voltamos para casa no final da tarde e ficamos descansando, pois a despedida se estenderia até o final da balada que tínhamos marcado de ir. Antes de sairmos de casa para ir para a tal balada, Sofia aparece na sala, absolutamente deslumbrante.
- Carol, me dá sua opinião sincera. Você acha que estou bonita? – perguntou ela, ansiosa pela resposta
Afirmei que ela estava linda. Por dentro, eu estava pensando que era a pergunta mais ridícula e óbvia que já tinha ouvido.
Fomos para a balada e voltamos por volta das duas horas da manhã. Quando chegamos em casa, um pouco alegrinhas por causa da bebida, cada uma foi direto tomar banho. Deixei a água massagear meu corpo como se tivesse tirando todo o meu cansaço. Acredito que tenha ficado meia hora debaixo do chuveiro. Quando voltei para a sala, Sofia estava sentada no chão, massageando os pés. Aproveitando o fato de ela ser estudante de fisioterapia, reclamei que estava com dor na área dos ombros. Muito prestativa, Sofia se ofereceu para fazer uma massagem. Mesmo sabendo do perigo que aquilo representava, aceitei a oferta. Dessa vez, Sofia sentou no sofá e eu no chão, entre suas pernas
- Quer que eu tire a camisola? – perguntei
- Não. – ela respondeu rapidamente
Sofia começou a massagear meu pescoço levemente, depois as mãos macias escorregaram para os meus ombros, massageando delicadamente, de uma forma que fazia meu ventre pegar fogo. A cada movimento que ela fazia, eu soltava um gemido baixinho, sentindo que não conseguiria me segurar por muito tempo.
- Deita no chão e agora tira a camisola para eu poder te massagear melhor – pediu.
Obedeci prontamente, tirando a camisola e o sutiã e me deitando de bruços, apenas de calcinha. Ela me massageou de uma forma deliciosa, suas mãos passavam por toda a extensão de minhas costas, me fazendo delirar com aquele toque. Quando Sofia começou a empregar mais força na massagem, não consegui me segurar mais. Pedi para que ela parasse e me virei, deitando de costas para o chão. Percebi que ela desviou os olhos dos meus seios e fixou o olhar no meu rosto.
- Passou a dor? – perguntou ela.
- Passou. Agora quero que massageie aqui... – respondi, levando as mãos dela até meus seios.
Sofia ficou meio sem ação quando viu que eu não estava brincando. Olhei fixamente para aqueles lindos olhos verdes e, sem dizer nada, me levantei e beijei-lhe os lábios com toda a delicadeza que consegui. Quando ela correspondeu, puxei seu corpo para mais perto e a beijei com mais vontade: mordia e chupava seus lábios enquanto a segurava pela nuca. Sofia começou a me puxar pela cintura e ficar ofegante com meus beijos. Quando tive certeza de que ela não recuaria, pedi novamente:
- Faz massagem, faz?
Deitei-me novamente e ela começou a brincar com meus seios, ora apertava com bastante força, ora apertava de leve, sempre beliscava os biquinhos, parecia encantada. Eu sentia tanto tesão que tinha que me controlar para não avançar em cima dela. Quando estava quase explodindo de excitação, tirei as mãos dela dos meus seios e a beijei, lentamente fui colocando uma das mãos sobre minha calcinha e pedi para que ela massageasse. Eu pude ver seus olhos um pouco assustados, mas seu corpo todo arrepiado me dizia que ela também queria. Sofia começou a me massagear lentamente, bem no meu clitóris.
- Assim tá bom? – sussurrou em meu ouvido
- Perfeito! – respondi
Joguei meu corpo para trás e me apoiei nos cotovelos, enquanto Sofia me masturbava de uma maneira só dela, maneira que quase me matava de tanto desejo. Comecei a soltar gemidos fortes e ofegantes, ela parecia muito empenhada em não parar de me dar prazer, olhava para minha calcinha como se fosse um obstáculo.
- Tira! – implorei
Mais do que depressa, Sofia tirou minha calcinha e voltou a me masturbar. Ficou me olhando, esperando para ver minha reação, que foi a melhor possível, já que, entre gemidos, pedi para que ela me comesse com toda a força. Não demorou muito para que meus gemidos virassem gritos e meu corpo começasse a convulsionar, anunciando o delicioso orgasmo que havia chegado. Demorei um tempinho para me acalmar e Sofia me olhava, impressionada, com um sorriso enorme nos lábios.
Satisfeita, deitei Sofia no tapete e comecei a beijá-la com carinho e a apalpar seus seios pequenos por cima da blusa. Cheia de tesão, tirei a blusa dela e me deparei com os bicos rosados apontando para mim, lambi de leve seu pescoço, descendo vagarosamente até chegar aos seios e começar a chupá-los com um pouco mais de força do que tinha previsto, mas Sofia gemia e se contorcia tanto, que continuei no mesmo ritmo.
Quando cheguei ao short, demorei ainda mais, passando a língua, provocando, descendo cada vez mais. Tirei o seu short, deixando-a somente com a calcinha rosinha que estava usando, vi uma mancha enorme na parte de baixo da calcinha, Sofia estava quase gozando e eu mal tinha começado. Fiquei orgulhosa do que tinha feito e comecei a chupar seu clitóris por cima do tecido, abri ainda mais suas pernas, para que pudesse fazê-la gozar com bastante vontade. Ela gemia alto, batia as mãos no tapete, cravava as unhas na almofada e a mordia.
Continuei ali, na doce brincadeira de provocá-la somente por cima do tecido da calcinha, imaginando como seria quando começasse a chupá-la de verdade. Sofia apertou os olhos e soltou um gemido alto, era seu gozo chegando, querendo inundar-lhe a calcinha. Aumentei a força e a velocidade de minhas chupadas por cima de sua calcinha, até fazê-la gozar, cravando suas unhas nos meus braços que envolviam suas pernas e trancando a respiração.
Seu corpo ficou parado um instante, sua respiração estava muito ofegante e ela nem abria os olhos. Achei graça naquilo, mas esperei ela voltar ao normal para poder continuar o que estava fazendo. Quando finalmente sua respiração voltou ao normal e ela abriu os olhos, dei um beijo em sua boca e perguntei:
- Pronta?
- Para quê? – perguntou, com os olhos arregalados
- Para começarmos! – respondi, rindo
Ela não entendeu o que eu quis dizer, por isso fui obrigada a dar uma demonstração. Tirei sua calcinha e passei a lamber suas coxas.
- Hum... Estou prontíssima. – afirmou.
Fiquei de quatro, entre as pernas de Sofia, apoiada nos cotovelos. Tirei sua calcinha e vi sua bocetinha linda, tinha uma fileira de pêlos clarinhos e algumas sardas. Passei a língua bem de leve por toda a extensão da vulva dela, arrancando um leve gemidinho de seus lábios. Em seguida, afastei seus grandes lábios com o indicador e o médio e passei a língua com toda a força, desde a entradinha até o seu clitóris, mas dessa vez, além de gemer, Sofia apertou minha cabeça contra sua boceta, fazendo ainda mais pressão. Ainda deixando os grandes lábios afastados, passei a tentar penetrá-la com minha língua. Ela continuava puxando minha cabeça, fazendo força para que minha língua entrasse. Fiz movimentos para frente e para trás, fazendo-a se contorcer inteira e implorar por mais. Comecei a alternar entre enfiadas de língua e chupadelas no clitóris. Quando meu anjo estava quase chegando ao orgasmo, me coloquei ao seu lado e comecei a enfiar-lhe os dedos com bastante força, mas meu cuidado era tanto que às vezes tinha a impressão de que ia desmontá-la, então diminuí a força de meus dedos. Lendo meus pensamentos, ela implorou:
- Mais forte, Carol! Por favor, mais forte!...
Diante daquele pedido, não me restou outra alternativa a não ser atendê-lo. Comecei a fodê-la com bastante força, seu corpo se projetava para frente e para trás. Já eram três os dedos que insistiam em sair e entrar dentro dela. Aquele anjinho se tornou uma verdadeira vagabunda, enquanto eu lambia sua orelha, ela me mandava fodê-la com mais força e rapidez, eu obedecia, mas ela sempre pedia mais. Voltei a ficar de quatro e a chupar o clitóris de Sofia enquanto a continuava comendo com meus dedos, ela puxava minha cabeça com uma das mãos e com a outra apertava um dos seios. Começou a rebolar em meus dedos, seu corpo era percorrido por constantes espasmos. Quando o orgasmo chegou, Sofia abafou os gritos com a almofada e me puxou pelos cabelos enquanto seu corpo tremia. Mal consegui me mover, tamanha a força que ela me segurava pelos cabelos. Tive de esperar seu corpo relaxar para poder beijá-la e abraçá-la.
- Foi a melhor despedida de minha vida – ela me confidenciou com um sorriso no rosto
Adormecemos ali, deitadas no tapete da sala, entre as almofadas.No dia seguinte, acordamos, fomos tomar um banho e agimos como se nada houvesse mudado. Saí do banheiro ainda de roupão, vi que as malas dela estavam prontas e Sofia preparada para a despedida.
- Obrigada! – disse ela me olhando no fundo dos olhos.
Percebi que aquele agradecimento valia por exatamente todas as coisas que havíamos feito juntas e por todas que estariam por vir...

C.R.

Conto originalmente publicado na Casa dos Contos

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Devore-me


Ladeira Trepidante

Descrição: A parceira deita-se de bruços na cama ou no chão, com as pernas esticadas e ligeiramente separadas. O homem senta-se abaixo da bunda dela, com o peito voltado para o seu rosto, as mãos no chão. Ele inclina-se para trás, formando um ângulo de 45 graus em relação ao seu corpo, para que possam juntar os sexos. À medida que ele balança para trás e para a frente, a parceira junta as pernas para segurar com firmeza o órgão dele dentro dela, apoiando-se nos cotovelos.

Vantagens: O parceiro pode aumentar ou diminuir o ritmo deslizando sobre as coxas da parceira surpreendendo-a, já que ela não pode vê-lo em ação. Além disso, o esfrega-esfrega da genitália dele sobre a bunda da mulher equivale a uma massagem altamente erótica

Desvantagens: Não há.

Tay

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

Plenos Prazeres



THE SWEETEST LOVE - ROBIN THICKE